Fifa orienta árbitros a uso mínimo do VAR na Copa do Mundo do Qatar

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

"Nosso objetivo é preparar o árbitro da melhor forma possível para evitar o uso de tecnologia", disse Pierluigi Colina, ex-árbitro italiano que preside o Comitê de Arbitragem da Fifa. "A tecnologia existe para minimizar o erro humano, que pode acontecer com o melhor árbitro. Mas a ideia é minimizar esses erros em campo", disse Colina.

Os profissionais da Fifa enfatizaram aos árbitros o lema do VAR: usá-lo apenas em erros "claros e óbvios". Ou seja, o vídeo não pode ser uma segunda chance para o árbitro de campo.

"O sacrifício que estamos fazendo, os seminários; falando e falando, é porque queremos alcançar um objetivo. Tenho certeza de que os árbitros entendem essa mensagem e vão se sair muito bem", disse o suíço Massimo Busacca, diretor de arbitragem da Fifa.

Os seminários, realizados em Assunção, Madri e Doha, tiveram parte teórica, mas principalmente simulações em campo de lances costumeiros que acabam sendo usados excessivamente pelo VAR sem necessidade — como toque de mão dentro da área, que pela orientação é para ter uma decisão rápida em campo a não ser que seja um erro absurdo.

A Copa do Qatar terá também o impedimento semiautomático, quando câmeras levarão à cabine do VAR quase em tempo real a posição do atleta supostamente irregular e do momento em que a bola foi lançada. Isso evitará que o AVAR trace manualmente linhas verticais e horizontais para identificar o possível fora de jogo, o que causa perda de tempo e até erros de precisão.

O Brasil terá dois árbitros no Qatar, Raphael Claus e Wilton Pereira Sampaio — é provável que Sampaio atue mais como VAR, apesar de ter sido escalado entre os 36 principais. Serão cinco assistentes: Neuza Back (primeira brasileira a trabalhar em uma Copa masculina), Bruno Boschilia, Rodrigo Figueiredo, Bruno Pires e Danilo Simon. Não foi convocado nenhum AVAR brasileiro.