Placa Mercosul | Como descobrir a cidade de origem do carro?

A adoção da placa Mercosul no Brasil não mudou apenas o formato de distribuição de números e letras na identificação de um carro. Por conta do novo modelo, agora está bem mais difícil saber, em uma simples olhada, qual a cidade e o estado de origem do veículo. Afinal, ao contrário das placas antigas, as novas não exibem mais tais informações na tarja superior.

Há, no entanto, uma forma de descobrir a cidade de origem do carro. O meio mais prático, testado e comprovado pela reportagem do Canaltech, vai exigir do curioso, ou melhor, do interessado em conseguir a informação, o download de um aplicativo em seu smartphone. Mas não precisam se preocupar, canaltechers, pois não é nenhuma prática ilegal.

O app em questão é o Sinesp Cidadão. Ele é um recurso oficial do Ministério da Justiça e Segurança Pública, portanto, pode ser usado sem medo pelo cidadão interessado em fazer uma busca pela cidade de origem do carro em questão.

O Sinesp Cidadão permite que o usuário digite as letras e números da placa (só funciona com placas modelo Mercosul) e, assim, obtenha, em segundos, a marca, modelo, ano de fabricação, cidade e estado em que o veículo foi registrado pela primeira vez. A reportagem testou com um carro emprestado pela JAC Motors para review, e comprovou a eficácia do app.

O Sinesp Cidadão permite ainda aos donos dos carros efetuar um cadastro e, assim, registrar alertas de roubos e furtos, com informações do local em que o sinistro ocorreu. Há ainda outras funcionalidades no aplicativo, mas que nada têm a ver com localização de carros, e sim de pessoas procuradas ou foragidas da Justiça.

As placas Mercosul, que em breve se tornarão obrigatórias em todo o território nacional, deixaram de apresentar a tarja contendo nome do município e estado de origem do carro na parte superior. Agora, a única inscrição que consta no espaço é a do País de origem.

A ideia de retirar municípios e estados da identificação, no entanto, não era a originalmente trabalhada pelos órgãos competentes. O projeto original previa que os brasões do estado e do município de origem seriam alocados na lateral da placa, logo após o último número, na parte alta, mas abaixo da bandeira do Brasil.

Por que, então, estas informações foram retiradas? Segundo o Detran do Rio de Janeiro, a explicação é simples: como os brasões eram estampados na mesma placa das demais informações, inclusive do QR Code posicionado na outra lateral, não seria possível trocar apenas as infos relacionadas a estado e município caso o dono do carro mudasse de cidade. No modelo pré-Mercosul, bastava trocar a tarja superior e tudo estava resolvido.

Por conta disso, e da obrigatoriedade de ter que trocar a placa completa em caso de mudanças, a ideia de manter os brasões de cidade e município foi abandonada, e descobrir tais informações para saber a cidade de origem do carro por meio da placa Mercosul ficou um pouquinho mais difícil.

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.